Meia do Inter diz que Coudet “elétrico” na beira do campo substitui a falta da torcida: “Nos dá um ânimo a mais”

Técnico argentino colorado costuma ser bastante participativo em sua área técnica do campo

Meia de boa qualidade no futebol argentino nos anos 90 e 2000, Eduardo Coudet já pendurou as chuteiras faz tempo e vem trilhando a carreira de treinador, comandando o Inter desde janeiro, mas a postura a cada partida é como se fosse mais um jogador a lutar em campo.

Confira os gols de Inter 2×0 Vasco da Gama
Coudet brinca sobre Vergara e não descarta preservar na Libertadores pensando no Flamengo: “Melhor da América”

Com gritos, incentivos e participação intensa na área técnica, Chacho tem se tornado uma atração à parte neste período de jogos sem torcida e, segundo Edenilson, os jogadores colorados conseguem entender tudo o que o treinador orienta aos berros na beira de campo:

“Ele é um cara bastante elétrico. Mas a gente, pelo tempo que vem trabalhando junto, já entende. Vocês de fora devem ficar tentando entender o que ele está pedindo, mas a gente, por incrível que pareça, entende os gestos dele. Ele nos cobra bastante no dia a dia e nos jogos”, revelou Edenilson, autor de um dos gols da vitória de 2×0 sobre o Vasco.

Para o camisa 8, destaque na quarta vitória seguida pelo Brasileirão, a postura de Coudet tem ajudado a suprir a falta da torcida nos estádios por conta do novo coronavírus:

“Isso dá um ânimo a mais ali pra nós jogadores. Quando a gente cai um pouco ou quando o outro time eleva o nível. Isso nos eleva de volta. Até porque estamos sem torcida e geralmente é a torcida que faz isso. Esse ânimo que ele nos dá é bastante importante”, acrescentou o meia.

Coudet admite ser “insuportável”

Em coletiva concedida depois da vitória de 2×0 sobre o Vasco da Gama no Beira-Rio, Coudet foi perguntado exatamente sobre a sua maneira de agir na área técnica e admitiu ser “insuportável” com os jogadores.

Mas garantiu, no entanto, que as suas reações são totalmente naturais dentro da sua maneira de viver o futebol:

“Para eles (elenco), tem que me aguentar. É o meu jeito de lidar com o futebol. Sou bastante intenso, bastante insuportável, mas quero o melhor para eles. Eu gosto de lutar, lutar pelos títulos e é o que tentamos”, comentou.

Com um Coudet cada vez mais elétrico, o Inter parte para uma semana decisiva. Primeiro, na quinta-feira, o rival é a Universidad Católica no Chile pela Libertadores. Depois, no domingo, o adversário é o Flamengo, no Beira-Rio, que tem os mesmos 34 pontos na liderança do Brasileirão.

Veja (após a publicidade) grupos de WhatsApp para participar.

Grupos WhatsApp: Apenas para receber as últimas notícias do zona mista

Comentários
Loading...

Utilizamos cookies. Ao continuar acessando este site você estará concordando com as políticas de privacidade. Aceitar Ler políticas

Políticas & Cookies